Blog do Quesada

Busca

22/10/2010

Pelé Deus...

É Pelé aqui e Deus lá em cima ou o contrário se quiserem. Divino, extraordinário, magnífico e fenomenal...

Pelé não é só o maior, Pelé é único. Incomparável.

Amantes do futebol, poetas e até cientistas traduziram o que este mineiro de três corações fazia com a bola nos pés.

O mestre Armando Nogueira disse que ¨se Pelé não fosse homem, seria bola¨. O destino não poderia ser outro para ambos que não fosse o futebol.

¨Se pudesse me chamaria Edson Arantes do Nascimento Bola, seria a única forma de agradecer o que ela fez por mim¨, frase de Pelé sobre a bola. É! Rei! Ela, a bola, também tem motivos para agradecê-lo.

Pepe, o canhão da Vila, definiu o amigo como ¨um extra-terrestre, um ser de outro planeta¨.

O poeta Carlos Drummond afirmou que ¨difícil não é marcar mil gols como Pelé. O difícil é marcar um gol como Pelé¨.

É Drummond, só um jogador como Pelé fez a gente, pobre mortal, admirar até os gols que ele não fez. Lembram do chute de 60 metros contra o gol de Víctor da Tchecoslováquia? E Na mesma Copa, a de 70, o drible de corpo em Mazurkiewsky do Uruguai?

Pelé teve o cérebro e o corpo estudados por cientistas. Tudo era superior em Edson Arantes do Nascimento: percepção visual apurada, genética diferenciada, corpo perfeito, equilíbrio muscular, destro e canhoto. Com tantos atributos, ele subverteu as leis da física.

Em uma pesquisa feita nos EUA nos anos 80, Pelé foi apontado como uma das três marcas mais conhecidas no mundo ao lado do Papa e da Coca-Cola. Pelé é um papa do futebol, Pelé é isso aí... Pelé é, foi e será admirado para sempre. Admirado pelo torcedor da arquibancada, por estadistas, políticos, reis, artistas e músicos.

O beatle John Lennon só entendeu por que ele, um dos líderes de uma das maiores bandas da história, não fora assediado em um aeroporto ao desembarcar para uma turnê. Minutos depois Lennon percebeu que a ¨muvuca¨ estava em torno do atleta do século, Pelé.

Outra cena admirável e curiosa, comprova o status de pop star de Pelé. Certa vez quando em uma excursão pela África, o time do Santos e a orquestra de Louis Amstrong estavam na mesma cidade, um garoto estendeu um papel para o músico norte-americano pedindo uma lembrança. Amstrong ao perceber que havia ali o autografo de Pelé, não pensou duas vezes e escreveu: ¨the best player of the world¨, frase que em inglês se aplica perfeitamente ao rei do futebol e a um dos maiores nomes da música em todos os tempos.

A propósito se tivesse que tocar uma canção para Pelé, certamente, Louis escolheria o maravilhoso mundo de ¨wonderful world¨.

O mundo do futebol parabeniza o gênio pelo aniversário de 70 anos. Mais vida longa ao rei do futebol. Parabéns, Pelé!

Por Leandro Quesada às 21h38

Rasteira no G4

Com os duelos brasileiros confirmados nas semifinais da Copa Sul-Americana, uma frustração imediata tomou conta dos times que ainda sonham com a vaga na Libertadores 2011.

Uma equipe brasileira já está garantida na decisão da Sul-Americana. Palmeiras e Atlético-MG fazem um dos duelos da semi; o outro terá Avaí e Goiás.

A chance de um clube conquistar a vaga na Libertadores, sendo o quarto colocado no campeonato nacional diminui bastante. Um golpe para as pretensões daqueles que hoje estão fora do G3, casos de Atlético-PR, Grêmio, Botafogo, São Paulo e Vasco da Gama. A exceção é o Palmeiras, por enquanto envolvido no torneio da Conmebol.

Pelo visto, o G4 vai ser mesmo G3.

O ideal e justo, na minha visão, seria a manutenção das quatro vagas no Brasileirão, sem contar a nacionalidade do time campeão da Copa Sul-Americana.

Por Leandro Quesada às 20h34

21/10/2010

Roberto Carlos: ¨não menosprezei o Mundial¨

Uma declaração dada pelo lateral penta-campeão pela seleção brasileira, em entrevista à ESPN Brasil, causou polêmica sobre o título do Mundial de clubes da Fifa, conquistado pelo Corinthians em 2000.

A interpretação dada por outros veículos de comunicação apontam para um certo menosprezo de Roberto Carlos com a conquista corinthiana. No Twitter também o assunto ganhou muito espaço.

No Esporte em Debate da Rádio Bandeirantes, o lateral esquerdo garantiu: ¨Não menosprezei o Mundial da Fifa, apenas o chamei de mundialito pois é assim que é conhecido na Espanha. Foi uma entrevista maravilhosa, sem polêmica. Levaram para outro lado¨.

Roberto acha que a polêmica foi criada por ter dito, no papo com os meus amigos jornalistas da ESPN, que o ¨Manchester United veio passear¨ no Rio e que alguns jogadores do time dele, o Real Madrid, ¨ficavam acordados até às 5, 6 da manhã¨.

Por Leandro Quesada às 21h15

19/10/2010

Nem a pau, Juvenal

Juvenal Juvêncio, um dos mais importantes e influentes dirigentes de futebol do Brasil, perdeu uma grande chance para ficar calado. Mesmo que tenha sido por brincadeira, a piada ficou sem graça.

O presidente do São Paulo foi de um extremo mau gosto ao criticar o estádio que será erguido na zona leste da capital capital paulista. ¨Qual vai ser o estádio de São Paulo para o Mundial? Se faz o estádio em Itaquera, como faz para chegar lá? A (chanceler da Alemanha) Angela Merkel vai ter de sair de lá em um carro de bombeiro¨, ironizou Juvenal.

Preconceito puro com uma das regiões mais populosas e populares na nossa cidade. Não nos esqueçamos que perto do Morumbi temos uma das maiores favelas da metrópole, a Paraisópolis. Ah! Não existe linha de metrô, ao contrário de Itaquera, e para chegar ou sair do estádio, em dias de eventos, é um Deus nos acuda.

Em outra palavras, há gente vivendo mal em qualquer lugar, sem metrô, sem saneamento básico, escolas de primeira, inclusive nas redondezas de um bairro rico como é do Morumbi, onde impera o poder do automóvel. Um exemplo é a Av. Giovani Gronchi, saturada diariamente com tantos congestionamentos.

Se o veto ao Morumbi como sede da Copa de 2014 (na minha opinião, um veto errado) teve a participação ou não da FIFA, da CBF, dos interesses políticos, do Corinthians, de Jerome Walcke e outros, o povo sofredor e trabalhador de Itaquera não tem nada com isso. Não, mesmo.

É bom lembrar que pobres torcem pelo Corinthians, Palmeiras, Inter, Atlético-MG e tantos outros. Pobres também torcem pelo tricolor, o time com a terceira maior torcida do Brasil.

Como diz a senhora daquele comercial da TV, Juvenal desta vez você não está com a razão, sem chance, nem a pau!

Por Leandro Quesada às 19h46

18/10/2010

G4 reconhecido

Justo, mais do que justo. Seria um absurdo, o futebol mais vitorioso do continente perder um time na Libertadores do ano quem vem. Que me desculpem bolivianos, peruanos, venezuelanos e outros, mas é melhor seis participantes do Brasil ou da Argentina, do que quatro do Equador.

Em que pese os favores políticos da CONMEBOL com as federações nacionais de futebol e vice-versa, a qualidade do torneio não pode ficar em segundo plano. O talento brasileiro foi reconhecido em um ato de justiça e lucidez.

A entidade voltou atrás e devolveu a quarta vaga para o Brasil na Libertadores 2011. Além deles, o atual campeão Internacional e o Santos, campeão da Copa do Brasil, já estão garantidos na próxima.

Se um brasileiro, no entanto, for campeão da Copa Sul-americana, o Brasileirão indica três e não quatro times. De qualquer forma o Brasil terá seis representantes no ano que vem.

Com a decisão, o campeonato brasileiro pega fogo de vez. Vasco, Palmeiras, São Paulo, Grêmio, Botafogo e Atlético-PR são os candidatos ao quarto posto.

Por Leandro Quesada às 21h14

O futebol total do São Paulo

O estilo ousado apresentado pelo tricolor no clássico não é nenhuma novidade tática. É a cópia de um formato que tomou conta do futebol mundial a partir dos times holandeses do Feyenoord e Ajax, no início dos anos 70.

Consagrado pela Holanda na Copa de 74, com o carrossel holandês, o modelo dava liberdade aos jogadores que não guardavam posições e executavam vária tarefas em campo.

Não estou aqui comparando o atual SPFC ao time dirigido por Rinus Michels, não! Longe disto. Mas a proposta se assemelha quando Ricardo Oliveira, um atacante de altíssima categoria, larga a função de marcar gols para ajudar a defesa.

É possível então escalar quatro atacantes sem perder a força ofensiva. Basta que os jogadores entendam a necessidade de pressionar o adversário no campo de defesa dele.

Carpegiani não esconde o temor com a debilidade defensiva em alguns momentos mas pretende resolver a situação de não expor a defesa, com a participação efetiva dos atacantes na hora de defender. Algo que a Holanda começou a fazer no início dos anos 70.

Quatro décadas depois existe ainda uma dificuldade em embutir na cabeça dos jogadores tais obrigações. Ricardo Oliveira acha possível: ¨Sem sombra de dúvida é só olhar os últimos jogos. Dagoberto, Lucas, Fernandinho fizeram isso. Eu praticamente joguei como um volante contra o Santos quando estávamos com dez. O Paulo (Carpegiani) coloca este time pra jogar pois sabe que temos capacidade para desempenhar a função. Eu tenho pulmão para isso¨, explicou o artilheiro durante entrevista ao Jogo Aberto da Band TV.

Por Leandro Quesada às 14h38

Carpegiani busca equilíbrio ataque-defesa

Os esquemas ofensivos de São Paulo e Santos fizeram do clássico paulista um dos grandes jogos do ano, emocionante e eletrizante. Como é bom acompanhar um duelo de futebol com equipes que buscam o gol a todo instante.

Em vinte minutos apenas, cinco gols haviam sido feitos. No final, o tricolor bateu o rival por 4 a 3.

O arrojo de Carpegiani, anunciado durante a semana, mostrou que desta vez a melhor defesa foi o ataque. O técnico são-paulino, no entanto, admite que terá de buscar o equilíbrio entre os setores já que nem sempre o time marcará quatro gols e estará sem a proteção ideal na defesa, com a escalação de quatro atacantes.

O zagueiro Alex Silva e o volante Carlinhos Paraíba estão dispostos a correr o risco de apostar neste modelo ofensivo, mesmo sobrecarregando o sistema de defesa.

Assim, o ousado tricolor diminui para seis pontos a distância do G3, onde está o Corinthians, e segue vivo na luta por vaga na Libertadores.

Por Leandro Quesada às 00h47

Alguém quer ser campeão?

Mais uma rodada em que os três primeiros colocados não conseguem vencer.

Cada um tem uma explicação para insucesso. Gols anulados e arbitragens contestadas foram temas dos discursos de mineiros e paulistas.

Em Porto Alegre, o líder Cruzeiro foi parado pelo Grêmio. O gol de Wellington Paulista foi anulado pelo árbitro paulista Paulo César de Oliveira, alvo de críticas dos cruzeirenses.

Flu e Corinthians empacaram novamente.

O Flu de Muricy Ramalho foi impedido pelo Botafogo de colar ainda mais nos mineiros. Muricy como de costume não reclamou e achou o resultado de empate justo.

Pior para o Corinthians, sem vencer nenhuma vez nas últimas sete partidas. Ronaldo fez dois gols contra o Guarani mas a arbitragem viu impedimento nos lances. O timão não consegue reagir de jeito nenhum.

Por Leandro Quesada às 00h35

A dura missão de Tite

Engana-se quem pensa que Tite sofrerá pressão enorme ao assumir o Corinthians. Ele chega ao clube para salvar a equipe na reta final do Brasileirão 2010 com responsabilidade, claro, mas na medida certa. Sem cobranças excessivas.

Se levar o timão ao título, o novo treinador terá um busto erguido no Pq. São Jorge. Caso o fim da história seja outro, Tite não será pregado no poste e culpado pela tentativa frustrada de obter a taça ou até a vaga na Libertadores.

Tite não montou o elenco, veio aos 49 do segundo tempo como se diz na gíria, faltando oito jogos para acabar o torneio. Para ele que venha o que vier, seja o que Deus quiser.

Por Leandro Quesada às 00h18

17/10/2010

O ousado tricolor de Carpegiane

Lucas, Fernandinho, Dagoberto e Ricardo Oliveira estão escalados no ataque são-paulino no clássico. Quase uma loucura se levarmos em conta os conceitos ¨retranqueiros¨ dominantes no futebol dos tempos de hoje.

Para quem critica tanto a falta de arrojo dos treinadores, Paulo César Carpegiane dá a resposta, quebra o esquema defensivo e evita a utilização do maior número possível de zagueiros e volantes.

É óbvio que se perder o jogo contra o Santos, os patrulheiros táticos criticarão o comandante do SPFC que ¨inventou¨ desproteger a equipe ao escalar quatro atletas no ataque.

Por Leandro Quesada às 01h32

Valdivia: perdas e danos

Frustrante para os palmeirenses é a confirmação da contusão de Valdívia.

Depois de tantos esforços financeiros para trazer o mago chileno, perdê-lo agora é um golpe para as pretensões do Palmeiras de alcançar o G3.

Valdivia não enfrenta o Corinthians, segundo os médicos.

O meio-campista deixa o time em um momento decisivo, em que se projeta a conquista da vaga na Libertadores 2011. Perdas e danos são registrados quando um jogador da categoria de Valdivia fica ausente.

A dependência das estrelas para alcançar os ideais é evidente em um time sem tantos talentos. Kléber, Marcos Assunção e Lincoln serão primordiais.

Por Leandro Quesada às 01h29

Degola: Fla respira

A chegada de Luxemburgo impulsionou o Flamengo. Na meta de se distanciar do rebaixamento, o rubro-negro deu um importante passo ao vencer o campeão da Libertadores, o Internacional, que por sua vez está cada vez mais fora da briga pelo título.

Mesmo com a troca sucessiva de técnicos (Andrade, Rogério Lourenço, Silas e agora Luxa), o Fla consegue reagir para escapar aos poucos do terrível destino.

Outro grande, o Atlético-MG, reanimado com o comando de Dorival Junior tem um duelo direto com o também ameaçado Avaí. O galo ocupa há vinte rodadas uma posição na zona da degola.

O Grêmio Pudente parece condenado, Goiás e Atlético-GO estão na luta inglória. Vitória e Guarani ainda correm o risco de atuar na série B no ano que vem.

Por Leandro Quesada às 01h02

Sobre o autor

Repórter e apresentador da rádio e TV Bandeirantes desde 1995, Leandro Quesada cobre os principais eventos da emissora. São 3 Copas do Mundo (1998, 2002 e 2006, além de coberturas jornalísticas de Campeonatos Brasileiros, Copas do Brasil, Estaduais, Libertadores, Mundiais de Clubes, Liga dos Campeões, eliminatórias da Copa, amistosos da seleção, Copa América, entre outros. Na Rádio Bandeirantes, é repórter e também apresentador do programa Esporte em Debate desde 1999. Na TV, é um dos comentaristas do Jogo Aberto, programa da Band, comandado por Renata Fan. Em 2002, ganhou o prêmio de melhor repórter esportivo dado pela Aceesp - Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo. O jornalista ainda foi um dos informantes da CPI CBF-Nike - que investigou o submundo do futebol brasileiro.

Sobre o blog

Paulistano nascido no bairro histórico do Ipiranga, criado na República da zona leste da capital, torcedor do Juventus da Mooca, Quesada trará matérias especiais e notícias exclusivas dos bastidores do futebol.